terça-feira, 13 de setembro de 2016

    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    TUDO É GRAÇA - SAUDAÇÃO DE DOM JUAREZ SOUSA DA SILVA

                                                                                        Amados irmãos e irmãs,

    Saúdo a todos(as) com as palavras do apóstolo Paulo: “Graça, Misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Jesus Cristo nosso Senhor vos sejam concedidas abundantemente”.
    Neste tempo desde aquele 05 de março, quando aqui cheguei como Bispo Coadjutor, fui agraciado pela possibilidade de conhecer e dar-me a conhecer através de visitas e acolhidas, de tal forma que hoje sinto-me a vontade para falar como alguém que se sente em casa. Agradeço imensamente a todos, a começar pelo irmão Dom Alfredo e por todos na diocese que me proporcionaram fazer parte desta família diocesana de Parnaíba.
    Com a aceitação de sua Santidade, o Papa Francisco ao pedido de renúncia de Dom Alfredo, comunicada no dia 24 deste mês, a sucessão se deu automaticamente, conforme já era previsto na Bula Pontifícia. Hoje, mais do que eu tomar posse da Diocese, é a Diocese de Parnaíba que está tomando posse do seu bispo. Quero dizer com o apóstolo Paulo: “Pela graça de Deus eu sou quem sou” (1 Cor 15,10). Tudo é graça.
    Saúdo agradecido a todos que aqui vieram de perto e de longe, aos irmãos bispos Dom Jacinto, nosso metropolita de Teresina, Dom Marcos Tavoni, bispo de Bom Jesus, Pe. Raimundo Duarte, Administrador diocesano de Campo Maior, minha diocese de origem.
    Faço memória agradecida dos bispos que por aqui passaram: Dom Filipe Benício Conduru Pacheco, Dom Paulo Hipólito de Sousa Libório, ambos, na casa do Pai; Dom Edvaldo Gonçalves do Amaral, hoje emérito de Maceió, Dom Joaquim Rufino do Rêgo, hoje na casa do Pai, o nosso “bispo do coração” como afetuosamente é tratado, inclusive por Dom Alfredo.
    A Dom Alfredo Schafller, valente missionário, à frente da diocese nos últimos dezesseis anos, a gratidão imorredoura, minha e de todos os seus diocesanos. Meu irmão, agradeço-lhe imensamente pela acolhida fraterna e simpática, desde quando saiu a minha nomeação como Bispo Coadjutor de Parnaíba. Que bom que o senhor decidiu permanecer aqui conosco, não só morando mas, com aquela disposição de colaborar, como bispo emérito, no tribunal eclesiástico, no cuidado pastoral, em Cajueiro da Praia, e certamente de muitas outras formas. O senhor tem muito que me ensinar e eu tenho muito que aprender com o senhor. Continuo contando com o senhor. Não me eixe sozinho.
    Saúdo cordialmente aos padres e frades da diocese de Parnaíba, “indispensáveis colaboradores da ordem episcopal”, aos padres de outras dioceses, diáconos com suas esposas, religiosas e religiosos, seminaristas, irmãos leigos e leigas, protagonistas da evangelização nas diversas instâncias eclesiais e da sociedade. Saúdo aos meus familiares aqui representados, na pessoa de minha mãe, Dona Maria José e meus irmãos e sobrinhos. Ao meu pai peço a sua benção lá do céu.
    Quero agradecer pela presença e saudar de modo especial as autoridades civis dos poderes executivo, legislativo e judiciário, e militares, e o faço na pessoa do Prefeito da cidade de Parnaíba, Dr. Florentino Veras Neto com a sua dista esposa, que me acolheram desde os primeira hora, com presteza e deferência. Saúdo às demais autoridades de Parnaíba e dos municípios que compõem a Diocese.
    É graça que a nossa apresentação como 6º Bispo de Parnaíba se dê na solenidade de Nossa Senhora, Mãe da Divina Graça; no calendário litúrgico universal, festa da Natividade de Nossa Senhora.
    A Palavra divina que ilumina esta solenidade, nos fala primeiramente que por meio de Maria, Mãe de Deus, cheia de Graça, recebemos Cristo que é nossa Paz. Ele é Deus que chega ao nosso mundo na natureza humana. “Na Plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher”. É a Graça maior, o fato de Deus tornar-se homem para que os homens se tornem filhos de Deus.
    No trecho do evangelho proclamado, são Mateus nos apresenta a genealogia e o nascimento, no tempo, do Filho eterno do Pai. A realidade humana de Jesus, o Filho de Deus, passa através da longa história dos que o precederam. De cada um desses nomes se diz duas vezes “gerar”: uma vez como “filho”, a outra como “pai”: por exemplo, “Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó”. Esse esquema se repete até chegar em José. Aí, inesperadamente, ele se interrompe e diz: “Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo” (1,16). Ao invés de dizer que José gerou Jesus, o esquema abre-se à surpresa que aconteceu por pura prodigalidade da graça divina, por meio de Maria, a Mãe da Divina Graça. Tudo é graça.
    Celebramos o nascimento de Maria, cheia de Graça. Seu nascimento é um fato da história de Cristo, que por ação do Espírito Santo dela nasceu. Nasceu na história, aquele que da história é o Senhor. Assim o fez para realizar plano divino de amor e de salvação.
    Tudo é graça. É graça que o senhor nos tenha recebido em sua história, você, eu a Igreja. Tantos que nos precederam como disse anteriormente. Tantos operários e operárias corajosos da vinha do Senhor.
    Ao visitar as diversas paróquias de nossa diocese, do sertão ao litoral, da serra aos cocais, constantemente ouvi, uma palavra que muito me animou, “pode contar conosco”. É com todos que eu conto. Somos desafiados a acolher e anunciar a salvação de Deus, em um tempo novo, em época de transformações rápidas e profundas, em tempos de mudança de épocas, que não obstante os avanços e conquistas no mundo das ciências e da técnica, que proporcionam conforto e bem estar, também e de outro lado, afetam os valores mais profundos, como a fé, a família, a paz, a solidariedade, as relações.
    O Báculo que recebi, não sirva para afugentar ninguém, mas para nos sustentar, para cuidar de todos, proteger contra as forças adversas à vida e ao reino de Deus.
    A Cátedra, não seja para acomodar-me na auterefencialidade, minha nem da Igreja, mas para sinalizar a unidade de todos, e com todos os seguimentos de uma só família diocesana, como deve ser a imagem de uma Igreja particular.
    Conclamo, pois a todas as forças vivas da Igreja e da sociedade: juventude, famílias, pastorais, movimentos, novas comunidades, Comunidades Eclesiais de Base, conselhos. Escutemos a voz da Palavra, através de nosso querido papa Francisco: não deixemos que nos roubem a força missionária (EG 109). Os “desafios existem para serem superados”. Partindo sempre de Cristo e na força do Espirito Santo, sejamos uma Igreja “em saída”, discípula, misericordiosa e acolhedora de todos, preferencialmente dos mais necessitados. Desejo dialogar e caminha respeitosamente com as outras igrejas e denominações religiosas. Somos todos filhos de Deus. O que nos une é maior do que o nos diferencia. Vamos todos conviver, em atitude de respeito e interdependência. Vamos construir juntos, a “civilização do amor”.
    Concluindo estas minhas palavras, gostaria de dizer mais uma vez, que quero ser sempre um verdadeiro cristão entre os cristãos, um amigo entre os amigos, um irmão entre os irmãos. A fraternidade é um componente essencial da vida cristã; a amizade dá o verdadeiro tom da convivência humana. Se eu não for irmão em Cristo não posso ser um bom pastor, conforme o perfil do Bom Pastor que Jesus traçou no capítulo décimo do Evangelho de São João.

    Ajudem-me, pois, a ser o amigo, o pastor dos seus sonhos. Espero, com a graça de Deus e a oração de vocês, não decepcioná-los. “A verdadeira esperança não decepciona”.

    Mais uma vez agradeço a todos os que se fazem presentes e aos que se empenharam na preparação e realização desta festa de nossa padroeira.

    Nossa Senhora Mãe da Divina Graça cuide de nossos corações. Caminhe sempre conosco e nos mostre o caminho de Cristo e do Reino. “Para que todos tenham vida” (Jo 10,10). Que o Senhor nos abençoe!

    + Juarez Sousa da Silva – Bispo de Parnaíba – 08.09.2016
    - Fonte: http://www.diocesedeparnaiba.org.br

    sexta-feira, 2 de setembro de 2016

    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    ENCERRAMENTO DA FESTA DE NOSSA SENHORA DA GRAÇA E ACOLHIDA DE DOM JUAREZ COMO BISPO DIOCESANO DE PARNAÍBA


    quarta-feira, 31 de agosto de 2016

    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    PALAVRA DO PÁROCO

    O Bicho

     “Vi ontem um bicho. Na imundície do pátio. Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, não examinava nem cheirava: engolia com voracidade. O bicho não era um cão, não era um gato, não era um rato, o bicho, meu Deus, era um homem.” (Manuel Bandeira)
                                                                                                        
    16.02.2016

    Quem visita as periferias da humanidade, os becos, as favelas, certamente já se deparou com realidade semelhante a do poema de Manuel Bandeira: no corpo esquelético das crianças ou em suas barrigas cheias de vermes, nas filas e nos corredores dos hospitais onde a dor e o desespero se manifestam nos rostos dos doentes, nas vítimas das drogas, do preconceito, da fome - de pão e de atenção -, e da indiferença que é uma das 15 doenças elencadas profeticamente pelo Papa à Cúria Romana em 2014 e, talvez, sejam doenças de toda sociedade.

    Este bicho-homem, ou homem-bicho, faz-me lembrar do louco do Evangelho que vagava correndo, gritando pelos cemitérios, pelas ruas, pela vida (Mc 5,1-20); vida devolvida a ele por Jesus que, com misericórdia, volta sempre o seu coração preferencialmente às situações de miséria do mundo e das pessoas: para a pobre e sincera oferta das viúvas, para as ovelhas tresmalhadas, para as moedas extraviadas, para os filhos perdidos, para os samaritanos caídos nas beiras das estradas deste mundo, para os cegos bartimeus, os paralíticos de Betesdas, as filhas dos Jairos, os filhos das viúvas de Naim e desta América Latina, e do Brasil, e do Piauí, e das nossas cidades, e das nossas famílias, e de nós mesmos.

    - Oh homem! Quem te transformou em ‘‘bicho’’? Quem te jogou nos porões da vida? ‘‘O lucro e a ambição do capital, o poder do latifúndio’’, nos lembra um dos hinos da Quaresma na Liturgia das Horas, a religião instrumentalizada para favorecer os poderosos como verificou o Profeta Amós à seu tempo e de cujo livro é retirado o lema da Campanha da Fraternidade  deste ano, o jejum feito enquanto se cometem injustiças como denunciou o Profeta Isaias, ou até os sacrifícios hipócritas e as vezes hediondos, que ao invés de agradar a Deus lhes são detestáveis: ‘‘Quero misericórdia e não sacrifícios’’, é o imperativo de Jesus no capítulo 9 do Evangelho de Mateus, o cobrador de impostos.

    Quantas religiões, seitas, movimentos que são hoje Templos de Betel, que servem às estruturas caducas e que pregam uma obsoleta cristandade, de excessiva moralidade e que, assim, fortalecem as instituições que promovem as injustiças e as opressões, quando, não raras vezes, se tornam, elas próprias, fontes de injustiças e seus líderes lobos vorazes ao invés de serem pastores que apascentam o rebanho com conhecimento e prudência, conforme Jr 3,15? Rios secam quando deixamos de praticar a justiça e o direito (Cf. Am, 5,24).

    - Oh Deus, onde estão os teus profetas? Onde estão os Pedros, os Antônios, os Hélders, as Margaridas, as Dorothys, os Josimos? Os homens profetas e os profetas homens? Os homens espiritualizados, humanizados que como Francisco, o Santo de Assis, e Francisco, o Santo Padre, nos chamam, a todos, a sermos Misericordiosos como o Pai e entusiasmados (cheios de Deus/Theos) a construirmos o Reino e sua justiça, pois a outras coisas nos virão como acréscimo(Mt 6,33), como que “por atração” nos lembra Francisco: “A Igreja cresce por atração e não por proselitismo.” “Procurar, amar e atrair” (S. Bernardo de Claraval).

    Neste Ano Santo da Misericórdia, Senhor, volta nosso olhar aos que estão como fome, com sede, nus, estrangeiros, presos, doentes, solitários, pra estes homens “feitos” (hechos) bichos. Que sejamos uma Igreja de portas abertas a estas realidades. Que hoje voltemos nossos corações, almas, energia e trabalhos àqueles que, à época, seguiram Jesus: um bando de publicanos, pobres, pecadores, prostitutas, marginalizados, doentes, pessoas que eram desprezadas pelas classes dominantes de Israel; que os excluídos de hoje provoquem em nós uma verdadeira Metanóia (conversão) quando os encontramos, numa vivência real da misericórdia e do pastoreio, em semelhança à ação de Deus que veio e vem até nós para nos encontrar em nossas fragilidades e limitações.


    Senhor, que diante do Alzheimer espiritual, nas palavras de D. Leonardo Steiner, um “progressivo declínio das faculdades espirituais”, não esqueçamos que estais presente no injustiçado, no faminto, no explorado; que não nos esqueçamos que nossas ações de solidariedade a eles – esmola, caridade, atenção, respeito, presença, manifestam e revelam o vosso próprio rosto misericordioso (Misericordae Vultus): “Onde o amor e a caridade, Deus ai está.” Que esta verdade não caia no ostracismo de nossas vidas; que nossa gratuidade aos pobres seja como a bela imagem da fonte citada por D. Leonardo no retiro do clero, que nem mesmo sabe que se dá, mas...sempre se dá”. Por fim, não permitamos que nos roubem a gratuidade e a misericórdia.

    domingo, 28 de agosto de 2016

    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    FESTA DE NOSSA SENHORA DA GRAÇA 2016

    Ao convocar o Ano Santo da Misericórdia o papa Francisco faz uma interpretação da misericórdia Divina profundamente ligada às obras de misericórdia, tanto corporais quanto espirituais, apresentando-nos o conceito de misericórdia muito próximo ao de justiça e caridade cristãs, e nesta aproximação poderíamos compreender o motivo pelo qual Maria seja aquela em que “tudo foi plasmado pela presença da misericórdia feita carne”, por isso, “Mãe da Misericórdia”. Pede-nos sua Santidade “abramos os nossos olhos para ver as misérias do mundo, as feridas de tantos irmãos e irmãs privados da própria dignidade e sintamo-nos desafiados a escutar o seu grito de ajuda”.Com esta motivação convidamos você e sua família para participarem do Festejo de Nossa Senhora da Graça com o tema: “Salve Rainha, Mãe de Misericórdia”e o lema “Quero Misericórdia, e não sacrifício.” Vai ser uma festa muito bonita. Contamos com sua presença



    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    PAPA FRANCISCO ACEITA PEDIDO DE RENÚNCIA DE DOM ALFREDO




    Bispo coadjutor, dom Juarez Sousa da Silva, assume o governo pastoral da diocese de Parnaíba
    O papa Francisco acolheu, nesta quarta-feira, 24 de agosto, o pedido de renúncia ao governo pastoral da diocese de Parnaíba (PI) apresentado por dom Alfredo Schaffler, por motivo de idade. Ao mesmo tempo, foi nomeado como novo pastor da Igreja particular o bispo coadjutor, dom Juarez Sousa da Silva. 

    Dom Juarez

    Nascido em Barras (PI), em 30 de junho de 1961, dom Juarez Sousa da Silva foi ordenado presbítero em 1994, na cidade de Barras (PI). Dom Juarez é mestre em História Eclesiástica pela Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, na Itália. 
    Dom Juarez foi nomeado bispo em 27 de fevereiro de 2008 e ordenado em 17 de maio do mesmo ano, em Oeiras (PI).  
    - See more at: http://www.diocesedeparnaiba.org.br/conteudo.php?acao=view&id=561&m=7#sthash.MbixnK8f.dpuf

    quinta-feira, 25 de agosto de 2016

    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    CONVITE AO FESTEJO DE NOSSA SENHORA DA GRAÇA 2016

     Ao convocar o Ano Santo da Misericórdia o papa Francisco faz uma interpretação da misericórdia Divina profundamente ligada às obras de misericórdia, tanto corporais quanto espirituais, apresentando-nos o conceito de misericórdia muito próximo ao de justiça e caridade cristãs, e nesta aproximação poderíamos compreender o motivo pelo qual Maria seja aquela em que “tudo foi plasmado pela presença da misericórdia feita carne”, por isso, “Mãe da Misericórdia”. Pede-nos sua Santidade “abramos os nossos olhos para ver as misérias do mundo, as feridas de tantos irmãos e irmãs privados da própria dignidade e sintamo-nos desafiados a escutar o seu grito de ajuda”.Com esta motivação convidamos você e sua família para participarem do Festejo de Nossa Senhora da Graça com o tema: “Salve Rainha, Mãe de Misericórdia”e o lema “Quero Misericórdia, e não sacrifício.” Vai ser uma festa muito bonita.
     Contamos com sua presença



    sexta-feira, 19 de agosto de 2016

    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    PROCISSÃO DA ROMARIA PAROQUIAL DA MISERICÓRDIA E MISSA ENCERRAM A FESTA DE NOSSA SENHORA MÃE DOS POBRES EM ILHA GRANDE DO PIAUÍ.

    No dia 30 de Julho de 2016, aconteceu a Romaria da Misericórdia em Ilha Grande do Piauí, os fiéis participaram uma procissão saindo na Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição percorrendo pelas ruas da cidade até o Santuário Mãe dos Pobres conduzindo a imagem da santa mãe de Jesus Cristo foi realizada onde a comunidade católica pode demonstra através de cânticos e louvores toda a sua devoção a Nossa Senhora Mãe dos Pobres e Senhora do Piauí. A missa foi celebrada pelo Bispo Coadjutor Dom Juarez e concelebrada pelo Padre Carlos (Paróquia Nossa Senhora da Graça-Parnaíba-PI), Padre Jeremias Mathias, Padre Vittório Ferrari e Diácono Antônio de Pádua e logo após a benção final, encerrando a Romaria da Misericórdia e a Festa de Nossa Senhora Mãe dos Pobres e Senhora do Piauí.







    terça-feira, 19 de julho de 2016

    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    EDITAL DO CONCURSO DE HINO E CARTAZ DA VI ROMARIA DIOCESANA DA JUVENTUDE


    Prezado(a) Candidato (a),
    O Setor Juventude da Diocese de Parnaíba, com a benção de nossos bispos Dom Alfredo Schäffler e coadjutor Dom Juarez Sousa, com articulação e movidos pela coordenação Diocesana da Pastoral da Juventude, lança o concurso para o processo de escolha do Hino e do Cartaz da VI Romaria Diocesana da Juventude, que nasceu de uma Assembleia Diocesana da Pastoral da Juventude na Barra do Longá em 2016. Para realizar o concurso, vai ocorrer um II Festival da Juventude que irá escolher tais, cartaz e hino, a serem utilizados na Romaria. O Festival acontecerá no dia 13 de Agosto de 2016, na cidade de Parnaíba-PI, finalizando a missão jovem da Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça (Catedral) no espaço da Praça Mandu Ladino (Quadrilhódromo), a partir das 18:00h.
    1. Do Tema, Iluminação Bíblica e palavras-chaves para Hino e Cartaz:
    ● Tema: “Jovens, vinde à Cristo sem medo de ser misericordiosos’’
    ● Iluminação Bíblica: ‘’Bom Mestre o que devo fazer para herdar a vida eterna?’’ (Lucas 18,18).
    ● Palavras chaves para ajudar: Misericórdia, Juventude, Florescer a civilização do amor, Casa comum.
    2. Do Hino:
    2.1.Características da Letra e da Música
    2.1.1. Quanto ao Conteúdo:
    O hino primará por uma profunda linguagem poética que traduzirá os conteúdos do tema, iluminação bíblica, palavras chaves e o sentimentos da juventude. É importante algumas características:
    ● Ter uma letra inédita;
    ● Ser poético;
    ● Ser um hino que facilite a interpretação através da dança;
    ● Ter linguagem juvenil;
    ● Deve expressar a alegria, sentimentos e a identidade da juventude;
    ● Um embasamento bíblico: a referência bíblica é fundamental, pois ela orienta a vida e a história do povo, e confere sólidos fundamentos para o texto poético;
    ● Deve conter na letra referências claras ao tema da VI Romaria da Juventude;
    ● A coerência ente fé e vida: contemplar a unidade fundamental entre fé e vida, evitando intimismo ou sentimentalismo exagerado;
    ● Procurar responder o questionamento da iluminação bíblica;
    2.1.2. Quanto a expressão musical do hino:
    ● Caráter vibrante, vigoroso e convidativo. Esse caráter tem haver com o ressoar de “trombetas e clarins”(cf. Sl 47, 6; 98,5-6);
    ● Melodia e ritmo fluentes, acessíveis a qualquer tipo de assembleia;
    ● Força melódica e rítmica eficazes para a dinamização das potencialidades individuais e grupais.
    2.1.3. Quanto a Melodia:
    ● Realce bem o sentido da letra;
    ● Seja fluente, simples e bela;
    ● Tenha pausas de respiração suficientes e nos momentos certos. É bom que haja uma breve respiração no final de cada frase do texto;
    ● Seja construída a partir da escala diatônica. Sejam evitados cromatismos exagerados (semitons sucessivos) e intervalos de difícil entoação;
    ● Seja artística, fugindo dos “chavões e clichês” já conhecidos e demais gastos;
    ● Tenha características da genuína música brasileira (por exemplo, da música religiosa e popular).
    2.2 Da apresentação da composição:
    ● Esteja escrita em pauta, com a indicação dos acordes (cifras) para o acompanhamento instrumental. Estejam no formato PDF.
    ● Esteja gravada em áudio, com acompanhamento instrumental. Esteja nos formatos MP3.
    ● Cada participante deverá concorrer apenas com uma música;
    2.3 Quanto à participação:
    ● Somente poderão participar pessoas ou grupos, preferencialmente jovens e assessores envolvidos com a juventude, residentes na Diocese de Parnaíba ou participantes de alguma Pastoral ou Movimento da nossa Diocese.
    ● Pessoas sem engajamento pastoral, poderão participar com a idade até 29 anos, o que seria uma forma de despertar o chamado ao serviço pastoral de seguir a Igreja de Cristo.
    2.4 Da aceitação dos trabalhos:
    ● O simples fato de participar neste concurso implica a aceitação de todas as regras definidas no presente regulamento.
    ● Os trabalhos não serão devolvidos aos autores, que ao participar cedem os seus direitos de propriedade à organização do concurso com caráter exclusivo, por tempo indeterminado. Em consequência, estes trabalhos poderão ser expostos noutros locais.
    2.5 Do prazo:
    ● As composições devem ser enviadas impreterivelmente por e-mail das 21h do dia 06 julho até as 23h59min do dia 2 de agosto de 2016.
    ● Enviar para o endereço eletrônico: pjdiophb@gmail.com, com o assunto: “Concurso Hino Romaria da Juventude”. Devem ser enviados, em anexo, o áudio e a cifra da música. No corpo do e-mail escrever os dados do (s) Autor (es): nome, endereço e contato (s).
    2.6 Da escolha:
    ● Finalizado as inscrições, a comissão julgadora se reunirá entre os dia 31 de Julho a 2 de Agosto na Paróquia Santa Ana e escolherá as 5 (cinco) músicas finalistas que serão apresentadas em um Festival no dia 13 de Agosto de 2016, em Parnaíba na Praça Mandu Ladino, a partir das 18:00h.
    ● As músicas finalistas serão disponibilizadas na internet para voto popular, entre os dias 03 a 13 de Agosto, o ganhador larga com 1 voto, os outros 4 serão por meio de jurados no festival.
    2.7 Da premiação:
    ● O participante vencedor do concurso para o processo de escolha do hino da VI Romaria Diocesana da Pastoral da Juventude receberá a quantia de R$ 200,00.
    3. Do Cartaz
    3.1. Das características do Cartaz:
    ● O desenho da arte deve ser original e inédito;
    ● Ter inspiração do tema, iluminação bíblica e das palavras chaves;
    ● Deve representar o jeito jovem de ser;
    ● Deve ser conexo e ser dotado de reflexões que remetam a significação do evento;
    ● Ter como inspiração o tema e lema da VI Romaria Diocesana da Juventude a ser realizada;
    3.2. Da apresentação da imagem:
    ● Estar no tamanho 59,4cm x 84 cm (tamanho de 2 “dois” A3);
    ● Deve estar salva em JPEG ou PNG;
    ● Arquivo Raiz Editável com fontes e formas quebradas nos formatos CDR ( Corel Draw ) ou PSD ( Photoshop )
    ● Cada participante deverá concorrer com apenas 1 (uma) arte;
    3.3. Quanto à participação:
    ● Somente poderão participar pessoas ou grupos, preferencialmente jovens e assessores envolvidos com a juventude, residentes na Diocese de Parnaíba ou participantes de alguma Pastoral ou Movimento da nossa Diocese.
    ● Pessoas sem engajamento pastoral, poderão participar com a idade até 29 anos, o que seria uma forma de despertar o chamado ao serviço pastoral de seguir a Igreja de Cristo.
    3.4. Da aceitação dos trabalhos:
    ● O simples fato de participar neste concurso implica a aceitação de todas as regras definidas no presente regulamento.
    ● Os trabalhos não serão devolvidos aos autores, que ao participar cedem os seus direitos de propriedade à organização do concurso com caráter exclusivo, por tempo indeterminado. Em consequência, estes trabalhos poderão ser expostos noutros locais.
    3.5. Do prazo:
    ● As artes do cartaz devem ser enviadas impreterivelmente por e-mail das 21h do dia 06 julho até as 23h59min do dia 02 de agosto de 2016.
    ● Enviar para o endereço eletrônico: pjdiophb@gmail.com, com o assunto: “Concurso Cartaz Romaria da Juventude”. Deve ser enviado, em anexo, o arquivo da imagem. No corpo do e-mail escrever os dados do (s) Autor (es): nome, endereço e contato (s).
    3.6. Da escolha:
    ● Finalizado as inscrições, a comissão julgadora se reunirá entre os dia 31 de Julho a 2 de Agosto na Paróquia Santa Ana e escolherá as 5 (cinco) artes finalistas que serão apresentadas em um Festival no dia 13 de Agosto de 2016, em Parnaíba na Praça Mandu Ladino, a partir das 18:00h.
    ● As artes finalistas serão disponibilizadas na internet para voto popular, entre os dias 03 a 13 de Agosto, o ganhador larga com 1 voto, os outros 4 serão por meio de jurados no festival.
    3.6. Da premiação:
    ● O participante vencedor do concurso para o processo de escolha do cartaz da VI Romaria Diocesana da Pastoral da Juventude receberá a quantia de R$ 100,00.
    4. Das disposições gerais
    4.1. Direito a alterações:
    ● A Organização reserva-se no direito de alterar ou acrescentar informação sobre a mecânica e prêmios do concurso, sempre que as mesmas sejam justificadas ou não prejudiquem os participantes, sendo devidamente comunicadas a estes.
    4.2. Direito de eliminação de participação fraudulenta:
    ● A Organização reserva-se no direito de excluir, com justa causa, qualquer utilizador que defraude, altere e perturbe o bom funcionamento e o curso normal e regulamentar do concurso.
    4.3. Dados pessoais dos participantes:
    ● O funcionamento do concurso exige que os dados sejam verdadeiros e completos, e que se mantenham atualizados, contando com a cooperação dos participantes. Se os dados não forem verdadeiros, estejam incompletos, ou não sejam atualizados, a Organização fica isenta de qualquer responsabilidade, não atribuindo, em último caso, o prêmios aos vencedores.
    Parnaíba-PI, 06 de Julho de 2016.
    - Ano Santo da Misericórdia -
    - Diocese de Parnaíba -

    segunda-feira, 18 de julho de 2016

    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    AVISOS DA SEMANA




    • Dia 20 de julho NOITE DA PARÓQUIA DA GRAÇA NO FESTEJO DE SANTA ANA; 


    • TRÍDUO a SÃO CRISTÓVÃO, de 22 a 25 de julho, na Igreja São José; 


    • ORDENAÇÃO PRESBITERAL dos Diáconos Tarciso Júnior e Raimundo José, dia 03 de agosto, às 19h na Catedral; 


    • Estamos nos preparativos da FESTA DA PADROEIRA e pedimos doações de: TNT, FOGUETES, PRÊMIOS PARA BINGOS, COPOS DESCARTÁVEIS, PRATINHOS etc... ENTREGAR NA SECRETARIA PAROQUIAL. 


    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    II FESTIVAL DA JUVENTUDE


    É com imensa alegria e satisfação que nós do Setor Juventude desta Diocese de Parnaíba anuncia o II Festival da Juventude que ocorrerá dia 13 de Agosto de 2016, na Praça Mandu Ladino (Quadrilhodromo) em Parnaíba-PI. O evento ocorrerá em função da VI Romaria Diocesana da Juventude à ser sediada em Piripiri no mês de Novembro de 2016. 
    O Festival traz o tema “Jovens, vinde à Cristo sem medo de ser misericordiosos’’ e Iluminação Bíblica: “Bom Mestre o que devo fazer para herdar a vida eterna?’’ (Lucas 18,18). O evento será realizado logo após o término da Missão Jovem na catedral de Nossa Senhora Mãe da Divina Graça. 
    Durante o evento realizar-se-ão: Missa, Escolha de Hino e Cartaz da VI Romaria Diocesana da Juventude, Apresentações, e Música ao vivo. 
    Para a realização deste evento contamos com a animação pertinente aos nossos jovens de grupos de base, que formem suas caravanas e venham participar de mais esta demonstração do fervor juvenil! E que, nas palavras do Papa Francisco: “Façam florescer a civilização do amor”. 

    Eduardo de Sousa Diniz 
    Coordenador Diocesano da PJ 


    Amém!  Axé!  Awerê Aleluia!  Oxente! 
    Paróquia Nossa Senhora Mãe da Divina Graça

    ENCONTRO DE LIDERANÇAS JUVENIS





    O Setor de Evangelização da Juventude realizou nos dias 15, 16 e 17 de julho, no Centro de Treinamento Sagrada Família, o Encontro de Lideranças Juvenis, reunindo representantes de toda a Diocese para estudar o documento 85 da CNBB – Evangelização da Juventude.
    Além das paróquias, também estão presentes as novas comunidades. O estudo foi assessorado pelos seminaristas maiores da diocese e já contou com a presença de nosso bispo coadjutor, Dom Juarez, na abertura do encontro, fazendo introdução sobre o documento.